Motos elétricas: O que você precisa saber sobre! -

Motos elétricas: O que você precisa saber sobre!

Publicado por Jessica Redatora em

Anúncios

Como funcionam as motos elétricas?

Uma moto elétrica tem, obviamente, um motor elétrico no lugar de um motor a combustão interna, e baterias (quase sempre íon-lítio ou chumbo) no lugar de tanques. Elas vêm nos dois estilos clássicos: motocicleta e scooter. Há mais raros triciclos e triciclos invertidos, que são classificados da mesma forma pela lei brasileira. Para os propósitos desta matéria, como para a lei brasileira, é tudo moto elétrica.

Scooters são as “lambretas”: elas não possuem o quadro central sobre o qual pessoa vai montada, mas uma barra ou plataforma para os pés, e a pessoa se senta como numa cadeira, com as pernas juntas. “Scooter” em inglês também é sinônimo para patinete ou para os veículos de mobilidade em supermercados: o termo mais exato em inglês é “moto scooter”, que é o melhor jeito de pesquisar tanto em inglês quanto em português.

Anúncios

Em motos elétricas estilo scooter, o motor costuma ficar diretamente acoplado à roda traseira, dispensando corrente, e as baterias ficam na plataforma.

Motocicletas elétricas são aquelas nas quais o condutor vai montado, com as pernas em volta, como numa bicicleta ou cavalo. O motor geralmente fica na parte inferior do quadro, com transmissão por corrente, com o resto do quadro ocupado por baterias. O “tanque” pode conter outros equipamentos elétricos, serve de compartimento de carga (como um porta-luvas), ou é meramente decorativo.

Anúncios

Há uma enorme variedade de preços, tamanhos e potências em motos elétricas. Ainda que motores elétricos sejam praticamente “mudos” eles são muito mais potentes em relação a seu tamanho e consumo que motores a combustão interna, e também entregam seu potencial mais rápido, com mais aceleração. Uma moto elétrica pode ser muito mais, digamos, arisca que uma moto convencional, e pode fazer isso sendo barata.

Mas, pela limitação do tamanho das baterias, ainda são muito grandes e pesadas, modelos à venda são na sua maioria modestos, urbanos e utilitários. Mesmo as mais potentes, como a Harley Davidson Live Wire, que faz de 0 a 97km/h em 3 segundos e vai a 183 km/h, não conseguem ser muito estradeiras: seu alcance é limitado a 235 km.

Vantagens de motos elétricas:

  • O valor do “combustível” é ínfimo comparado a uma convencional. Literalmente pode custar menos de R$ 1 por mês em eletricidade. .
  • A manutenção é também mínima: motores elétricos não têm válvulas, injeção, cabeçotes, escapamento etc. São muito menos partes móveis para estragar.
  • Não emitem gases-estufa. Qualquer veículo elétrico é tão bom ou ruim para o ambiente quanto a fonte de eletricidade com que é carregado. Se for uma usina eólica, solar ou nuclear – energia limpa –, não há emissões. Se for uma termoelétrica a diesel, não é muito melhor que usar um motor a diesel. Mas ainda é um pouco melhor: motores grandes, como de usinas termelétricas, são mais eficientes que pequenos em aproveitar seus combustíveis fósseis. Etanol e hidroelétricas também não emitem gases estufa, mas seu status “limpo” depende de não causarem destruição indireta ao derrubarem florestas para plantar ou alagar.
  • Não emitem poluentes locais. Mesmo se a matriz é suja, a cidade fica mais limpa com motores elétricos, já que a usina fica longe.
  • São silenciosas. Motores elétricos tem um ruído quase nulo em comparação com motores à combustão interna. Alguns motoristas preferem o rugido ancestral dos motores, mas motor barulhento deve ser arquivado na mesma gaveta da nostalgia que trens a vapor.

Desvantagens de motos elétricas

  • São mais caras: ainda que a diferença entre motos elétricas e motos convencionais seja menor que a entre os carros em valores absolutos, ainda custam mais que um modelo equivalente; como essa diferença é menor, em valores absolutos, isso acaba recuperado no que é economizado em combustível e manutenção;
  • Autonomia: carros elétricos podem hoje ter maior autonomia que carros convencionais; isto é, sua bateria dura mais que um tanque cheio. Para motos, que não tem espaço para tanta bateria, ainda não chegamos lá. Isso significa que motos elétricas podem não ser viáveis em longas viagens.
  • Quase não há motos elétricas híbridas: em carros, a falta infraestrutura de carregamento pode ser contornada por um híbrido plug-in (PHEV). Ele tem pouca bateria, mas o suficiente para andar na cidade e carregar em pouco tempo, e pode usar combustível para viagens. Essa opção ainda está no conceito.

O mercado de motos elétricas no Brasil e no mundo

Motos elétricas avançam mais rápidos que carros elétricos. Segundo a Quince Market Insights, a produção de motos elétricas (incluindo scooters) deve ter saltado de 861 mil para 1,14 milhão em 2021, e deve crescer 31,8% ao ano (de forma composta, em relação ao ano anterior) até 2030. Em 2027, cerca de 6 milhões unidades estarão sendo produzidas por ano – seis vezes o número de motos licenciadas no Brasil em 2020. O Brasil não tem estatísticas sobre o tema.

 


Comentários 0

Deixe uma resposta

Espaço reservado para avatar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Play

Ouvir Artigo

0 Minutos

pt_PTPortuguese